Links Patrocinados

terça-feira, 3 de julho de 2018

Aulas de espiritualidade na Faculdade de Medicina da UFF

Estamos diante de um novo caminhar na formação dos médicos que cuidam do ser humano. Parabéns UFF, parabéns novos médicos e... que os nossos médicos já formados também se aprimorem na espiritualidade.  
Eu tenho já o beneficio de ter médicos já espiritualizados e, por isto venho ao Brasil, na consulta deles. Eles olham para além de apenas um corpo.

Coordenador. Professor da UFF José Genilson Ribeiro leciona a disciplina de Medicina e Espiritualidade - Brenno Carvalho

NITERÓI - O ditado “Errar é humano, e perdoar é divino” sempre transitou pela religiosidade. Perdão e consciência vêm ganhando, entretanto, espaço nos meios acadêmico e científico, que analisam os benefícios à saúde alcançados por quem cultiva bons sentimentos e deixa para trás rancor, mágoa e raiva. Uma prova dessa mudança é a disciplina optativa Medicina e Espiritualidade, que caminha para o quarto semestre na faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense.

Os mestres da cadeira trabalham com a ideia de medicina integrativa seguindo conceitos da Carta de Ottawa, que conclamou, em 1986, organizações sociais e a Organização Mundial da Saúde (OMS) a esforços para um novo padrão de saúde pública. O documento defende que saúde não é apenas a ausência de doença, mas uma condição decorrente do bem-estar físico, psicológico, familiar, social e espiritual, como explica o coordenador da disciplina, José Genilson Ribeiro.

— Na Europa e nos Estados Unidos, cerca de 80% das faculdades já têm essa cadeira no currículo. No Brasil, ainda estamos devagar — diz Ribeiro, urologista e professor da UFF responsável pela implementação da disciplina em 2017. — Em aula, trabalhamos os sentimentos. Acreditamos que a doença começa na alma, se instala no corpo físico, e que é preciso tratar o paciente de maneira integral. Não basta tratar o efeito da doença, mas os aspectos totais. Muitas pessoas têm mágoas e não conseguem perdoar. Isso as deixa presas em suas dores, o que dificulta a melhora física.

Lecionada por um grupo de profissionais atuantes nas áreas de psicologia, medicina e arteterapia, a disciplina Medicina e Espiritualidade vai além das salas de aulas. No Núcleo de Estudos em Saúde, Medicina e Espiritualidade (Nesme) da UFF, pacientes são atendidos gratuitamente por professores e estudantes.

Na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), alunos criaram a Liga Acadêmica de Medicina e Espiritualidade (Liame), em 2014, para dar espaço a pesquisas e debates sobre o tema. Abrangendo a necessidade de “cuidar de quem cuida”, um grupo de apoio aos estudantes da Liame recebe alunos de Medicina para que eles também expressem suas emoções e tenham melhores condições de lidar com elas.

— Criamos a Liame com base no aumento do interesse acadêmico-científico pelo tema de saúde e espiritualidade. Em 1998, foi proposta pela OMS a inclusão da dimensão espiritual do ser à sua definição de saúde, convidando-nos a repensar o paradigma científico frente ao diálogo com o sentido espiritual da vida — contextualiza Carlos Roberto Figueiredo, estudante da Faculdade de Ciências Médicas da Uerj e fundador da Liame.
Perdoar faz bem à saúde

Para a psiquiatra Carmita Abdo, diretora da Associação Médica Brasileira (AMB) e presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), uma comprovação do que é defendido pela disciplina de Medicina e Espiritualidade e pela Liame está nos efeitos, negativos ou positivos, das substâncias produzidas pelo corpo humano após a experiência de sensações boas ou ruins.

— As emoções levam a modificações de substâncias no organismo. Quando liberamos ocitocina e endorfina, elas nos levam à melhora na imunidade e a sensações de bem-estar. O contrário ocorre com sensações negativas, que liberam substâncias que baixam a imunidade. Com o perdão não é diferente. Quando perdoamos alguém temos a sensação de alívio, de gratificação, o que é revertido em ocitocina — explica.

O conscienciólogo — profissional que estuda a consciência humana — Mário Oliveira é membro da Associação Internacional de Parapsiquismo Interassistencial (Assip), com sede em Foz do Iguaçu, que tem em uma de suas frentes a compreensão da importância do perdão para o processo de cura das doenças. 

— Mantemos um curso para conscientizar sobre a importância de perdoar. Acreditamos que a falta de perdão tem criado problemas de saúde, seja câncer, depressão, alergias ou dores, todos associados às mágoas guardadas. Com o tempo, esses sentimentos tendem a se manifestar de alguma forma, de maneira comportamental ou física. É difícil fazer essa ponte, e por isso criamos um seminário dedicado à prática do perdão. Com exercícios e palestras, os participantes são estimulados a perdoar — explica Oliveira, que tratá o seminário ao Rio, no Flamengo, nos dias 4 e 5 de agosto.

Em Niterói o Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC), em Icaraí, realizará um curso com a temática do perdão no dia 19 de agosto. Alessandra Nascimento, coordenadora do IIPC no Estado do Rio, acrescenta:
— Estudamos a ciência que tem como base a relação da consciência com o corpo físico e suas energias, e acreditamos que a energia tem interação muito grande na saúde. Seu desequilíbrio pode causar doenças. Quem tem dificuldade de perdoar tem muito apego, o que atrai energias de baixo padrão, podendo adoecer o corpo.


https://oglobo.globo.com/rio/bairros/remedio-para-alma-espiritualidade-disciplina-na-faculdade-de-medicina-da-uff-22836810


domingo, 1 de julho de 2018

FÉ, AMOR & CARIDADE

Caminhar é um passo de cada vez...sem pressa... e chegamos a cada novo passo a um novo estagio de compreensão.
Como a maioria sabe, eu não tenho religião. 
A minha religião é fazer o bem a mim e aos seres humanos que entram na minha vida profissional e pessoal. 
Nesta imagem eu reuni aprendizagens que fiz, faço e farei na vida, no Reiki, Constelação Familiar, o que se aprende com quem entra na nossa vida, algumas teorias da psicologia e, também um pouco de cada religião...
Tudo é válido quando é para o BEM!!!


terça-feira, 19 de junho de 2018

OMS-vício em vídeo game, pode ser distúrbio mental

Uma reflexão para os pais desta nova geração.
Alguns pais dizem que "o nosso filho não dá trabalho", está no quarto, aparece na hora das refeições, depois regressa para o quarto e não incomoda ninguém. 
Ao perguntar se sabem o que o filho está fazer, respondem "está jogar", mas são jogos inteligentes, ajudam a desenvolver os jovens etc... apresentam-me várias vantagens para o vício do filho no jogo... 
É importante lembrar que TUDO tem o lado positivo e o negativo, pois a OMS agora vem mostrar o lado negativo desse vício.
Bert Hellinger nos ensina, que os vícios, podem estar relacionados com a dificuldade de aceitar e de se relacionar com o pai.

leia mais em https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,oms-classifica-vicio-em-videogame-como-disturbio-de-saude-mental,70002354974

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Constelações Familiares e os filhos adotivos

É tão gratificante estar ao serviço da vida.
Ontem em Braga foi lindo, profundo e a conexão energética fluiu entre nós.
O AMOR está no coração de todos.
Pais biológicos amam o filho que trouxeram ao mundo.
Pais adotivos amam os filhos que receberam dos pais biológicos.
O filho adotivo ama os 4 pais e é fundamental que todos honrem a vida dos pais biológicos. Sem exclusão, sem julgamento.
As 3 leis foram trabalhadas:
1- a Lei do pertencimento. Pais biológicos e pais adotivos pertencem ao sistema da criança adotada.
2- a lei da hierarquia. Quem veio primeiro foram os pais biológicos.
Quando uma mulher não consegue engravidar, pode ser por muitos motivos. Um deles o útero, devido a mulher permitir-se a um afastamento da sua natureza profunda.





domingo, 17 de junho de 2018

Saia do Mode de QUEIXA

Este alerta é importante, porque quando uma pessoa assume este papel, ela própria, sozinha, não consegue identificar que entrou nessa espiral ascendente e, também, sozinha, não consegue parar, já que o 1º passo é identificar, reconhecer esse comportamento em si mesma, para o 2º passo após essa consciência é desejar profundamente curar-se, para que o 3º passo seja eficaz, que é a AÇÃO, procurar ajuda com profissional, e colocar em prática as reflexões e orientações do profissional, para efetivamente promover mudanças em si.
Ter compaixão por essa pessoa é necessário, tão necessário quanto NÃO entrar na espiral dela ou com ela!

 Leia mais em https://www.fasdapsicanalise.com.br/vitimizacao-cronica-pessoas-que-funcionam-em-modo-de-queixa/

terça-feira, 12 de junho de 2018

Confiar nas pessoas e...ser cauteloso com a Internet


A confiança na pessoa certa, faz imenso bem ao ser humano.
Sabemos que não é possível confiar em TODOS, nos diversos temas da nossa vida, sejam pessoas conhecidas ou não, nossos familiares ou não. 
Porém olhe à sua volta com olhos de ver, porque há MUITOS SERES HUMANOS que merecem que você Confie neles.
A Internet é excelente, porém é invasiva. Conhece a sua vida, mais do que você próprio e...há quem resista em ser cauteloso no uso da Internet.
A imagem é de Davide Bonazzi.


domingo, 10 de junho de 2018

VER...para além do que é visível


Tenho ouvido a expressão "não é justo isto acontecer comigo". 
E eu penso que se aconteceu é porque algo temos a aprender.  
Hoje farei um exercício sobre o VER, com olhos de VER, na abertura do grupo de Constelação e, na próxima 5ªf, farei a meditação sobre o VER, pedir que cada pessoa tenha o merecimento de VER o que está oculto em si, no seu sistema, para que ela consiga identificar que não há injustiça, há algo a curar, resgatar, equilibrar.




sexta-feira, 1 de junho de 2018

Tapete cor-de-rosa com energia do amor.

Mais uma vez fui abençoada com a energia de uma linda cadela, suave, silenciosa, porém "ladrou" na hora certa. Ela sentia tudo, é tão lindo!
Sei que para algumas pessoas ainda não parece aceitável, mas quem esteve presente ontem, tomou total consciência do quanto este animal vê mais do que nós, sente a energia mais do que nós.
Gratidão a todos que estiveram presentes e partilharam a energia saudável à serviço da vida.
Gratidão por nos "emprestar" a sua cadela.
E assim foi o final do nosso feriado cor-de-rosa.