Links Patrocinados

quinta-feira, 30 de junho de 2011

A arte de ouvir - Saadi de Shiraz

A arte de ouvir
O sábio Saadi de Shiraz caminhava por uma rua com seu discípulo, quando viu um homem tentando fazer com que sua mula andasse. Como o animal recusava-se a sair do lugar, o homem começou a insulta-lo com as piores palavras que conhecia.
- Não sejas tolo – disse Saad de Shiraz. – O asno jamais aprenderá a tua linguagem. O melhor será que te acalmes, e aprendas a linguagem dele.
E afastando-se, comentou com o discípulo: - Antes de entrar numa briga com um asno, pensa bem na cena que acabaste de ver.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

O dia do Homem

O dia Internacional do Homem, inicialmente celebrada em Trinidad & Tobago em 1999, é no dia 20 de novembro, data essa reconhecida pelas Nações Unidas também. Já li em alguns sites que seria no dai 19. vou continuar a pesquisar. http://www.international-mens-day.com/

No Brasil o dia do Homem é o dia 15 de Julho. http://www.international-mens-day.com/Brazil.php

Na Rússia o Dia do Homem é comemorado no dia 23 de fevereiro e detalhe lá é feriado!

Na wikipedia diz que O Dia Internacional do Homem é um evento internacional celebrado em 19 de Novembro de cada ano. As comemorações foram iniciadas em 1999 pelo Dr. Jerome Teelucksingh em Trinidad e Tobago, apoiadas pela Organização das Nações Unidas (ONU)[1], e vários grupos de defesa dos direitos masculinos da América do Norte, Europa, África e Ásia.

A diretora da Secretaria de Mulheres e Cultura de Paz da UNESCO, Ingeborg Breines, disse que a criação da data é "uma excelente idéia para equilibrar os gêneros".

Os objetivos principais do Dia Internacional do Homem é melhorar a saúde dos homens (especialmente dos mais jovens), melhorar a relação entre gêneros, promover a igualdade entre gêneros e destacar papéis positivos de homens. É uma ocasião em que homens se reúnem para combater o sexismo e, ao mesmo tempo, celebrar suas conquistas e contribuições na comunidade, na famílias e no casamento, e na criação dos filhos.

A data é oficialmente celebrada em Trinidad e Tobago, Jamaica, Austrália, Índia, Itália, Estados Unidos, Nova Zelândia, Brasil, Moldávia, Haiti, St. Ketts e Nevis, Portugal, Singapura, Malta, África do Sul, Gana, Botswana, Angola, Zimbabwe, Croácia, Uganda , Chile, Hungria, Irlanda, Peru, Canadá, China, Vietnã, Paquistão, Dinamarca, Suécia, Noruega, Guiana, Holanda, Bélgica, Geórgia, Argentina, México, Alemanha, Áustria, Finlândia, Espanha, França e Reino Unido.

De acordo com os criadores do Dia Internacional do Homem (19 de novembro), os homens devem denunciar a discriminação que sofrem em áreas como educação, saúde, família, direito, mídia, entre outras. Projetando uma imagem positiva de si mesmos na sociedade e destacando suas contribuições. O Dia Internacional do Homem é celebrado com seminários públicos, atividades escolares, programas de rádio e televisão, passeatas e marchas pacíficas, debates e mostras de arte. Os pioneiros da data querem destacar as experiências masculinas na sociedade. Cada ano a celebração foca um tema diferente como, por exemplo, Ano da Saúde Masculina (2002) e Ano do Perdão e da Cura (2007).

Em 2009, os seguintes objetivos gerais foram ratificados como base para todas as observações para o Dia International do Homem:

* Promover modelos masculinos positivos, não apenas de estrelas do cinema ou esportes, mas de homens do dia-a-dia cujas vidas são decentes e honestas;
* Comemorar as contribuições masculinas positivas para a sociedade, comunidade, família, casamento, guarda de crianças e meio-ambiente;
* Concentrar sobre a saúde do homem e seu bem estar: social, emocional, físico e espiritual;
* Destacar a discriminação profissional contra os homens nas áreas de serviços sociais, nas atitudes e expectativas sociais e no direito;
* Melhorar as relações de gênero e promover a igualdade de gênero;
* Criar um mundo melhor, onde as pessoas possam se sentir seguras e crescer para alcançar seu pleno potencial.

sábado, 25 de junho de 2011

Picos e Vales

“PARA ADMINISTRAR SEUS MOMENTOS BONS E RUINS:
Faça da realidade sua amiga
Se estiver temporariamente num pico ou num vale, pergunte-se: Qual é a verdade nesta situação? O que vou ganhar continuando assim?

PARA SAIR MAIS RAPIDAMENTE DE UM VALE:
Identifique e aproveite o bem oculto num momento ruim
Relaxe e reconheça que os vales têm fim. Faça o oposto daquilo que o pôs no vale. Não seja tão centrado em si mesmo: seja mais útil no trabalho e mais amoroso na vida pessoal. Evite comparações. Descubrao bem que jaz oculto no momento ruim e aproveite-o sem demora em benefício próprio.

PARA PERMANECER MAIS TEMPO NUM PICO:
Valorize e administre seus momentos bons com sabedoria
Seja humilde e agradecido. Continue fazendo as coisas que o levaram até lá. Continue fazendo tudo cada vez melhor. Faça mais pelos outros. Poupe recursos para os vales que estão por vir.

PARA CHEGAR A SEU PRÓXIMO PICO:
Siga sua visão sensível
Imagine-se gozando de um futuro melhor em detalhes tão específicos e verossímeis que em breve terá prazer em fazer o que for preciso para chegar lá.

PARA AJUDAR AS PESSOAS:
Conte isso aos outros!
Ajude as pessoas a fazer os momentos bons e ruins trabalharem para elas também.

Este pequeno fragmento pode lhe ajudar a algumas coisas:

* É possível fazer o melhor de si em sua vida e em seus negócios;
* Manter a humildade, mesmo tendo sucesso, a humildade lhe fará adentrar em locais que o dinheiro, fama sequer conseguem chegar;
* Acredite em seu potencial, sem denegrir o teu próximo, mesmo que ele faça isso;

Picos e Vales relata a história de um jovem que vive infeliz até encontrar um senhor que mora em uma montanha. Após conversas e experiências , o jovem aprende a refletir sobre os caminhos que escolheu e percebe que, entre dois picos, há sempre um vale: um momento de avaliação das decisões tomadas e de concentração nos objetivos a serem alcançados. Contada com o brilhantismo do autor que já vendeu mais de um milhão de cópias em todo o mundo, Picos e vales é uma história única de sabedoria e êxito, que convida o leitor a fazer uma jornada pelos próprios altos e baixos e a usar suas lições para vencer.

Essa leitura é muito interessante para todos que estão com problemas ou não! Ainda mais você que é empresário e está com essa dificil missão de mudar! De evoluir! De crescer em um novo ramo como o dos aquários! Muitas vezes pode parecer algo inatingível, mas garanto que com reflexão e motivação você conseguirá fazer o vale de hoje o pico de amanhã.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Compreensão entre casais e familiares

Quando eu ainda era um menino, ocasionalmente, minha mãe gostava de fazer um lanche, tipo café da manhã, na hora do jantar. E eu me lembro especialmente de uma noite, quando ela fez um lanche desses, depois de um dia de trabalho, muito duro.

Naquela noite, minha mãe pôs um prato de ovos, linguiça e torradas bastante queimadas, defronte ao meu pai. Eu me lembro de ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato. Tudo o que meu pai fez, foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe e me perguntar como tinha sido o meu dia, na escola.Eu não me lembro do que respondi, mas me lembro de ter olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geléia e engolindo cada bocado.

Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se desculpando por haver queimado a torrada. E eu nunca esquecerei o que ele disse:

- Adorei a torrada queimada...

Mais tarde, naquela noite, quando fui dar um beijo de boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele tinha realmente gostado da torrada queimada. Ele me envolveu em seus braços e me disse:

- Companheiro, sua mãe teve um dia de trabalho muito pesado e estava realmente cansada... Além disso, uma torrada queimada não faz mal a ninguém. A vida é cheia de imperfeições e as pessoas não são perfeitas. E eu também não sou o melhor marido, empregado, ou cozinheiro, talvez nem o melhor pai, mesmo que tente todos os dias!

O que tenho aprendido através dos anos é que saber aceitar as falhas alheias, escolhendo relevar as diferenças entre uns e outros, é uma das chaves mais importantes para criar relacionamentos saudáveis e duradouros.

Desde que eu e sua mãe nos unimos, aprendemos, os dois, a suprir um as falhas do outro. Eu sei cozinhar muito pouco, mas aprendi a deixar uma panela de alumínio brilhando. Ela não sabe usar a furadeira, mas após minhas reformas, ela faz tudo ficar cheiroso, de tão limpo. Eu não sei fazer uma lasanha como ela, mas ela não sabe assar uma carne como eu. Eu nunca soube fazer você dormir, mas comigo você tomava banho rápido, sem reclamar.

A soma de nós dois monta o mundo que você recebeu e que te apóia, eu e ela nos completamos. Nossa família deve aproveitar este nosso universo enquanto temos os dois presentes. Não que mais tarde, o dia que um partir, este mundo vá desmoronar, não vai.

Novamente teremos que aprender e nos adaptar para fazer o melhor. De fato, poderíamos estender esta lição para qualquer tipo de relacionamento: entre marido e mulher, pais e filhos, irmãos, colegas e com amigos. Então filho, se esforce para ser sempre tolerante, principalmente com quem dedica o precioso tempo da vida, à você e ao próximo.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Formação comercial GRATUITA para desempregados

As empresas estão cada vez mais empenhadas em apoiar causas sociais e, deste modo, retribuir à sociedade.
A Ideias & Desafios não é excepção estando neste momento empenhada num conjunto de acções de solidariedade social.
A que lhe apresentamos hoje, trata-se de um sonho antigo do seu fundador, que consiste na criação de acções de formação comercial totalmente gratuitas para desempregados.
Existem muitas pessoas de extremo valor e que se viram, por causa da conjuntura económica actual, sem emprego.

Foi a pensar em tudo isto que surgiu o presente projecto.

Após 7 anos de grande sucesso no mercado nacional decidimos que estava na hora de retribuir o muito que temos recebido por parte dos nossos clientes. É nesse espírito que nascem as nossas iniciativas de solidariedade social.
Um dos paradoxos que existem em Portugal é a falta de emprego sistemática que é reportada nos média versus a necessidade que as empresa têm de bons profissionais na vertente comercial que não conseguem arranjar.
Pensando um pouco fora da caixa, decidimos criar um projecto de formação gratuita que incidisse precisamente nesta área.

Até ao momento realizámos já quatro workshops de formação com um total de cerca de 400 pessoas que resultaram na colocação no espaço de três meses de aproximadamente 30% das pessoas que participaram.

Este projecto é exclusivo para pessoas desempregadas que procurem novas alternativas profissionais, sendo a sua participação completamente gratuita.

O projecto funciona apenas com fundos próprios da Ideias e Desafios e dos parceiros que a ela se associam.

Se está desempregado e gostaria de participar numa destas formações comerciais gratuitas contacte-nos para operacionalizar a sua inscrição:
ana.oliveira@ideiasedesafios.com

Próximas datas:
7º Grupo – 8, 9 e 10 de Julho no Porto

Estão disponíveis apenas 100 lugares para cada evento!

Leia mais em http://www.ideiasedesafios.com/?page_id=1116

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Suicídio Assistido

BBC transmitiu suicídio assistido de milionário britânico. convido a todos a fazerem uma reflexão sobre este assunto.

A cadeia BBC transmitiu na segunda-feira o suicídio assistido de Peter Medley, um hoteleiro britânico multimilionário de 71 anos, afectado por uma doença neurológica motora, que recorreu à clínica suíça Dignitas para morrer.

A emissão foi criticada por várias organizações, que acusaram a emissora pública britânica de ajudar a promover o suicídio assistido e de incentivar outras pessoas a seguirem os passos de Peter Medley.

A BBC argumentou que a reportagem, com o título "Escolhendo morrer", dará aos telespectadores a oportunidade de formarem a sua própria opinião já que o programa apresenta todos os pontos de vista relacionados com o suicídio assistido.

A reportagem mostra imagens de Peter Medley a tomar uma dose letal de barbitúricos na clínica suíça que nos últimos 12 anos ajudou a morrer mais de mil pessoas.

A organização britânica pro-suicídio assistido "Dignity in Dying" (dignidade na morte) declarou que o programa é "profundamente emotivo e, em algumas ocasiões, difícil de ver".

"Censurar o debate não ajudará as pessoas que sofrem de maneira intolerável", afirmou um porta-voz da organização, acrescentando que a realidade actual é que "as pessoas não só viajam ao estrangeiro para morrer, também acabam com a vida nas suas casas".

O UNIVERSO HOLOGRAFICO

O pesquisador americano Michael Talbot aproxima a ciência moderna e as
religiões antigas, ao analisar uma das teorias mais fantásticas de nosso tempo.
Desenvolvida por dois eminentes pensadores, o físico David Bohm, da
Universidade de Londres, e o neurofisiologista Karl Pribram, de Stanford, tratase
de uma nova conceituação da matéria, inspirada no princípio da holografia, a
reprodução tridimensional de imagens por laser, segundo a qual todo o
universo não passaria de um holograma gigantesco, um tipo de imagem criada
pela mente, contendo tanto a matéria quanto a consciência, na forma de um
campo único. Esse novo modo de encarar a realidade, que vem conquistando
um número crescente de adeptos no meio científico, explica não apenas muitos
dos enigmas insolúveis da física, como também ocorrências misteriosas como a
telepatia, experiências fora do corpo ou no limiar da morte, os sonhos
"lúcidos", e mesmo vivências místicas e religiosas. Um livro audacioso,
perturbador, escrito numa linguagem deliciosamente simples, ainda que
firmemente enraizado nas melhores tradições científicas,
O Universo Holográfico está destinado a se tornar um clássico no gênero.

Voo inauguralTAP PortoAlegre

VÔO INAUGURAL DA TAP COM 11hs DE VIAGEM.... SENSACIONAL



Este vídeo abaixo está com melhor qualidade, menos ruído, gravado pelo jornalista André Machado.

http://mediacenter.clicrbs.com.br/videos-gaucha-player/282/player/189178/blog-do-andre-machado-no-voo-inaugural-da-tap-passageiros-cantam-porto-alegre-e-demais/1/index.htm

Porto Alegre - A TAP Portugal faz este domingo o voo inaugural da nova rota Lisboa - Porto Alegre, com chegada prevista à capital do Rio Grande do Sul ao final da tarde. O voo marca igualmente o regresso do governador Tarso Genro a Porto Alegre, após uma missão internacional que o levou a Portugal e Espanha.

Este será o primeiro voo direto da Europa para a capital gaúcha. A companhia aérea portuguesa, que sublinha tratar-se de um "momento histórico", fará no Aeroporto Salgado Filho uma cerimónia de batismo do avião.

A nova rota da TAP terá quatro frequências semanais entre as duas cidades. A TAP já é a companhia que mais tem ligações entre Brasil e Europa, a partir de Lisboa, em voos saindo de Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Fortaleza, Natal, Recife e Salvador, além de Rio de Janeiro e São Paulo.

Neste voo inaugural, a bordo virá um grupo de autoridades liderado pelo governador Tarso Genro e pelo vice-presidente da TAP, Luiz Mór.

O voo TAP163 foi executado pelo CS-TOL que possui motores da General Eletric, mais potentes que os Pratt & Whitney devido o peso na decolagem em Porto Alegre. O voo teve duração de 11h05, entre a partida às 06h37 e o pouso às 17h42, ambos no horario de Brasilia.

domingo, 12 de junho de 2011

Protestos pacíficos

Sou favorável aos protestos pacíficos. Uma liberdade de expressão onde se respeita os direitos do outro e não se provoca danos sociais, apenas abrimos portas para reflexão.

Cem pessoas deitaram-se no Rossio por uma “democracia verdadeira”

A iniciativa, promovida pelo movimento “Democracia Verdadeira Já!” de Lisboa, surge depois de 12 dias de acampamento no Rossio e de várias assembleias, reuniões e acções nos dias seguintes, e que culminaram com uma carga policial e a detenção de dois activistas no sábado passado.

“A primeira coisa que nos mobilizou foi a repressão que houve aqui no Rossio, onde a polícia, ilegalmente, deitou ao chão muitas pessoas que, pacificamente e sem cometer nenhuma ilegalidade, pretendiam apenas debater os problemas das suas vidas e pensar novas formas de activismo”, disse ao PÚBLICO Renato, de 31 anos, um dos membros do movimento, confirmando que vão mesmo avançar com um processo judicial contra os agentes policiais que carregaram há uma semana sobre os manifestantes.

Madalena, de 33 anos, levou uma bastonada da polícia e fez questão de participar no protesto de hoje. “Estou aqui na continuação do protesto contra a democracia falsa em que vivemos”, disse ao PÚBLICO esta jovem desempregada, que lamenta ainda o facto de o país continuar no sofá. “Custa bastante ver que, numa crise tão forte como a que estamos a viver, o país continua muito calado no sofá. Acabamos por ser poucos a fazer uma luta de todos.”

Defendendo que o país “está a precisar não de uma, mas de várias revoluções”, Madalena diz estar disposta a ir “até onde for preciso”. “Não tenho um limite. É preciso que o medo nos dê coragem”, dizia com um sorriso nos lábios.

Já Alexandra, de 37 anos, vai “até onde o bom senso e as circunstâncias o exigirem”. Tem consciência de que a iniciativa de hoje, “por si só, não vai mover a sociedade toda”, mas acredita que “pode ser o início de um acordar de consciências”. “Estou aqui para me manifestar pacificamente contra a injustiça que existe em muitas áreas”, diz, confessando que é a primeira vez, desde a guerra das propinas na década de 1990, que decidiu “voltar a esforçar-se e a levantar a voz”.

Envergando um cartaz a reclamar “mais amor na política”, Inês está no movimento desde o princípio e garante que ali vai ficar enquanto continuar a “sentir que as acções fazem sentido e que as pessoas mudam”. “A iniciativa de hoje é uma forma metafórica de protestar contra a democracia que temos. Estamos cansados”, explica esta jovem de 23 anos. “Quero mais amor na política, pois para mim o amor é haver mais comunicação e justiça entre as pessoas. São dois conceitos muito próximos e, quando eles forem a mesma coisa, a sociedade será uma boa sociedade. É um bocado utópico, mas todas as crenças têm de ser um bocado utópicas”, justifica.

Renato acredita que a dinâmica dos protestos “vai naturalmente crescer”. “Tenho a história do meu lado. E, ao contrário do que nos pregavam nos anos 90, em que diziam que a ideologia estava morta, há muitas coisas a acontecer e, se há sítios onde o bater das asas da borboleta se nota, é no movimento social”, afirma este ex-estudante da Faculdade de Letras, depois de lembrar o que se passou no Egipto. “As coisas que vão acontecendo ajudam a reforçar esta dinâmica”, acrescenta.

A iniciativa de hoje contou com a participação solidária de Alberto, um espanhol de 22 anos que está em Lisboa desde Setembro de 2010 a estudar Biologia. “Estou aqui a lutar pela democracia verdadeira, que falta em toda a Europa”, diz. Alberto não tem dúvidas de que “a situação em Portugal é bastante parecida com Espanha e ao resto dos países mediterrâneos”.

As assembleias populares vão continuar e o movimento apela desde já à participação de “todos os indignados” na manifestação internacional do dia 19, que irá começar em frente ao Cinema São Jorge, em Lisboa.

sábado, 11 de junho de 2011

Debitocracia ou Divitocracia

Não gosto de debater política e nem me considero uma pessoa preparada para o fazer, porém achei este documentário extraordinário sobre a crise grega que está a causar polémica, feito por dois jornalistas gregos e que merece, pese a sua duração, ser visto, ouvido e analisado com muita atenção, quanto mais não seja como cultura geral.




Na Internet, toda a gente fala do documentário sobre a crise grega preparado pelos jornalistas Katerina Kitidi e Aris Hatzistefanou e que tem por título "Debtocracy". Rodado com dinheiro próprio e com donativos de alguns amigos, o filme tem exibição gratuita em http://www.debtocracy.gr. Em menos de dez dias, foi visto por 600 mil utilizadores. Todos os dias, defensores e adversários do documentário apresentam os respetivos pontos de vista no Facebook, no Twitter e em blogues.

Os principais atores do documentário (cerca de 200 pessoas) assinam um pedido de criação de uma comissão internacional de auditoria, que teria por missão especificar os motivos da acumulação da dívida soberana e condenar os responsáveis. No caso vertente, a Grécia tem direito a recusar o reembolso da sua "dívida injustificada", ou seja, da dívida criada através de atos de corrupção contra o interesse da sociedade.

"Debtocracy" é uma ação política. Apresenta um ponto de vista sobre a análise dos acontecimentos que arrastaram a Grécia para uma situação preocupante. As opiniões vão todas no mesmo sentido, sem contraponto. Foi essa a opção dos autores, que apresentam a sua maneira de ver as coisas, logo nos primeiros minutos: "Em cerca de 40 anos, dois partidos, três famílias políticas e alguns grandes patrões levaram a Grécia à falência. Deixaram de pagar aos cidadãos para salvar os credores".
Os "cúmplices" da falência perderam o direito à palavra.

Os autores do documentário não dão a palavra àqueles que consideram "cúmplices" da falência. Os primeiros-ministros e ministros das Finanças gregos dos últimos dez anos são apresentados como elos de uma cadeia de cúmplices que arrastaram o país para o abismo.

O diretor-geral do FMI, Dominique Strauss-Kahn, que se apresentou aos gregos como o médico do país, é comparado ao ditador Georges Papadopoulos [primeiro-ministro sob o regime dos coronéis, de 1967 a 1974]. O paralelo é estabelecido com uma facilidade notável desde o início do documentário mas não é dado ao personagem relevante (DSK) o direito a usar da palavra.

À pergunta "Porque não fazer intervir as pessoas apontadas a dedo", um dos autores, Kateina Kitidi, responde que se trata de "uma pergunta que deve ser feita a muitos órgãos de comunicação que, nos últimos tempos, difundem permanentemente um único ponto de vista sobre a situação. Nós consideramos que estamos a apresentar uma abordagem diferente, que faz falta há muito tempo". O público garante a independência do filme.

Para o seu colega Aris Hatzistefanou, o que conta é a independência do documentário. "Não tínhamos outra hipótese", explica. "Para evitar as limitações quanto ao conteúdo do filme, que as empresas [de produção], as instituições ou os partidos teriam imposto, apelámos ao público para garantir as despesas de produção. Portanto, o documentário pertence aos nossos 'produtores associados', que fizeram donativos na Internet e é por isso que não há problemas de direitos. De qualquer modo, o nosso objetivo é difundi-lo o mais amplamente possível."

O documentário utiliza os exemplos do Equador e da Argentina para suportar o argumento segundo o qual o relatório de uma comissão de auditoria pode ser utilizado como instrumento de negociação, para eliminar uma parte da dívida e do congelamento dos salários e pensões de reforma.

"Tentamos pegar em exemplos de países como a Argentina e o Equador, que disseram não ao FMI e aos credores estrangeiros que, ainda que parcialmente, puseram de joelhos os cidadãos. Para tal, falámos com as pessoas que realizaram uma auditoria no Equador e provaram que uma grande parte da dívida era ilegal", acrescenta Katerina Kitidi. Contudo, "Debtocracy" evita sublinhar algumas diferenças de peso e evidentes entre o Equador e a Grécia. Entre elas, o facto de o Equador ter petróleo.


Fonte original do vídeo:
http://www.debtocracy.gr

sexta-feira, 10 de junho de 2011

A história de cada casal

Tenho atendido muitos casais com dúvidas sobre o continuar juntos ou desbravar novos mundos, porém asseguro que podemos desbravar, mudar a nossa forma de funcionar na relação, em relação, com relação e continuar casados com o mesmo parceiro. Aprendendo a descobrir quem surge de dentro para fora! É um processo!

Ao fazer terapia, cada um cresce, renova, muda e depois cada um reflecte se esse novo ser que surgiu em si e o novo ser que surgiu no outro, conseguem fazer um novo caminhar JUNTOS. Se não conseguem, lamenta-se, porém valeu o processo.
Se conseguem passam a viver uma relação mais CONSCIENTE.

Eu refiro a terapia porque é um processo intenso e se for bem vivido por cada pessoas faz uma mudanças fantásticas, porém os livros ajudam imenso, os filmes, as metáforas e actualmente com a Internet temos também uns vídeos interessantes.

Este vídeo, que é uma propaganda da operadora Vivo (Brasil) mostra uma história de amor de um casal desde o primeiro encontro, com as diferenças individuais e com os ajustes que foram fazendo.



Deixo aqui a indicação de um livro interessante para casais não acabarem a relação antes de ler. Chama-se "Todo o amor do mundo", Harville Hendrix, Ph.D. Editora CasadasLetras.



Making of


Desenho animado

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Reciclagem do lixo em Barcelona

video

SIm, é um investimento financeiro, porém é uma garantia de um excelente atendimento ao cidadão.

domingo, 5 de junho de 2011

O quarto de Emma Donoghue

"O Quarto”, da autora Emma Donoghue, www.roomthebook.com que foi considerado obra-prima em diversos países, chega ao Brasil por meio do selo Verus do Grupo Record. O livro foi publicado em mais de 30 países e eleito o melhor livro do ano por diversos meios de comunicação.


O livro conta a história de um menino, Jack, que aos 5 anos vive em um mundo que se resume a um pequeno quarto de 4 metro x 4 metro sem janelas. O espaço é divido com Ma, sua mãe. No ambiente existem apenas cama, armário, mesa, berço, fogão, televisão e banheira.

Para entreter o esperto menino, Ma desenvolve de maneira criativa brincadeiras, exercícios e procura ensinar-lhe o que Jack estudaria se pudesse ir à escola. À noite, sua mãe o fecha em segurança no guarda-roupa, onde ele deve estar dormindo quando o velho Nick vem visitá-la.O único momento em que se separam é quando o velho Nick sequestra Ma e a mantém em cativeiro por sete anos.

Apesar de lhe proporcionar um ambiente lúdico e saudável, Ma sabe que isso é muito pouco para o menino. A curiosidade de Jack vai crescendo. Com uma linguagem especial e de forma sensível, Emma Donoughue conta em “O Quarto” a vida nesse ambiente sufocante, através da ótica infantil de Jack. Com viradas que prendem a atenção , o leitor vai acompanhar o desenvolvimento de Jack e sua mãe, até o ponto em que, finalmente, conseguem fugir das mãos do captor.

sábado, 4 de junho de 2011

Telefone da Esperança

porto@telefonedaesperanca.pt
* 960340851Mobile
* 222030707Home
Rua Duque de Loulé, 98 – 2º Esq. Porto


* http://www.telefonedaesperanca.pt
* http://telefonedaesperanca.blogspot.com/

Somos uma organização de voluntariado que actua nas áreas da acção social e da cooperação para o desenvolvimento. Oferecemos, de forma gratuita, anónima e especializada, um serviço permanente de ajuda por telefone ou presencial para apoiar pessoas em situação de crise emocional. Além disso, proporcionamos, através de cursos especializados, uma série de recursos eficazes para promover a melhoria da qualidade de vida emocional de cada pessoa e de cada família.

ORIENTAÇÃO POR TELEFONE (Já a funcionar em Portugal!)

O Telefone da Esperança oferece um serviço permanente de Orientação por Telefone, 3 horas por dia (período a alargar brevemente), todos os dias do ano (inclusive noites e quadras festivas) às pessoas que vivem alguma situação de crise.

Este serviço é especializado, gratuito (paga apenas o custo da chamada à sua operadora, se aplicável) e absolutamente confidencial. Do outro lado da linha, encontra pessoas formadas para o(a) apoia da melhor forma.
...
Caso necessite de quem o escute com respeito e cuidado, telefone-nos: 222 037 707. Todos os dias do ano, entre as 20 e as 23 horas, estamos disponíveis para o(a) escutar!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Um pianista resiliente

Música. A história da teimosia de um grande pianista que não desistiu de ser maestro.
Um acidente travou a carreira de pianista de João Carlos Martins. Acabou por se tornar maestro e contou ao i como não desistiu do que diz ser o seu destino.

João Carlos Martins seguia num táxi em direcção à 57a Avenida, uma das transversais da 7.a, em Nova Iorque. O trânsito estava caótico, buzinas, confusão. Gente bem vestida e apressada numa corrida contra o tempo. "O que é que se passa aqui, que confusão é esta?", perguntou ao taxista. "Não sei quem é o gajo que vai tocar hoje no Carnegie, mas é por causa dele", ouviu. "Faça como quiser, mas leve-me lá rapidamente. Esse gajo que vai tocar sou eu!"

João Carlos Martins, pianista, foi considerado pela "New York Magazine" e pelo "Boston Globe" o melhor intérprete de Bach depois do lendário Glenn Gould. Aos oito anos já era um virtuoso e aos 13 apresentava-se nas melhores salas brasileiras. Com 18 estreou-se no palco do Carnegie Hall, em Nova Iorque, num concerto patrocinado pela ex-primeira-dama dos Estados Unidos Eleonor Roosevelt. Aos 23 gravou o "Cravo bem Temperado", êxito de vendas durante anos nos Estados Unidos.

Aos 26, quando estava alojado num hotel nova-iorquino para mais um espectáculo, espreitou pela janela. Lá em baixo estavam uns miúdos a jogar à bola e João Carlos Martins, fanático por futebol, foi ter com eles para "dar uns toques antes do concerto". A fatalidade atravessou-se-lhe no caminho e aquela decisão mudou-lhe a vida: a correr atrás da bola, entre os rapazes (também brasileiros), uma queda violenta roubou-lhe os movimentos da mão direita. Os dedos do pianista calaram-se naquele momento.

Com o sonho desfeito, a música é atirada para trás das costas, mas o ex-pianista estava decidido a dedicar-se a novos projectos. João Carlos Martins foi buscar o exemplo à infância. Mais precisamente ao pai, "que é português, de Braga", contou ao i. O pai teve um cancro aos 36 anos e os médicos deram-lhe poucos meses de vida: "Não o conheciam. Morreu num acidente de aviação com 102 anos, dando um exemplo de dinamismo até ao último dia da sua vida", conta.

Um ano depois do acidente de Nova Iorque, João Carlos não queria acreditar que tinha abandonado o piano. "Como era possível ter deixado a música?", questionava-se. Dia após dia praticava intensamente e descobriu que, se não usasse o dedo anelar, conseguia recuperar a velocidade dos restantes. Queria voltar ao Carnegie Hall e marcou novos concertos, mesmo sob o alerta do seu agente: "Já ninguém se lembra de ti. É difícil encher o Carnegie. Pensa melhor." Mas não havia volta a dar, porque o pianista queria mesmo subir ao palco e voltar a interpretar não só Bach, mas também Ravel, Tchaikovsky ou Ennio Morricone.

Por causa disso, aterrou em Nova Iorque e foi parar ao tal táxi da confusa Rua 57, receoso de chegar tarde ao seu próprio regresso aos palcos. O taxista americano lá conseguiu deixá-lo a tempo no Carnegie Hall e a apresentação correu "maravilhosamente. Foram precisas mais 300 cadeiras na sala, o que nunca acontece lá", conta.

João Carlos Martins continuou a fazer recitais de piano, ano após ano, espectáculo após espectáculo, até que: "Depois de sete anos de prática, fiquei com uma doença chamada lesão por esforços repetitivos (LER)." Devido ao esforço e à prática intensa do piano, os seus dedos começaram a ter movimentos involuntários e teve de deixar de tocar mais uma vez.

Mas voltou a não desistir: "Se pararmos de fazer o movimento repetitivo [tocar piano], o movimento involuntário é esquecido passados uns anos". Martins deixava de tocar, para voltar a tocar de novo.

O pianista nunca largou o seu alvo, mas por vezes parece que o destino desafia quem mais lhe faz frente. "Ao sair de uma teatro na Bulgária fui assaltado. Bateram-me com uma barra de ferro na cabeça." Caiu no chão, foi levado para o hospital e ficou em coma oito meses. Quando acordou, João Carlos tinha o lado direito paralisado. O piano calou-se novamente, e a luta recomeçou, dia após dia, um passo atrás de outro passo.

Um ano depois, volta a "fazer as tais 21 notas por segundo". João Carlos Martins volta ao Carnegie Hall. Dois anos depois, os médicos, em Miami, dão-lhe mais uma notícia brutal: "Vamos ter de cortar os nervos da sua mão direita e nunca mais vai poder tocar piano."

João Carlos Martins, pianista, começa uma carreira com a mão esquerda. O piano foge-lhe de novo quando um tumor "também rouba o controlo da mão esquerda".

Reviravolta A sua paixão pela música não permitiu que a abandonasse e, aos 64 anos, troca novamente as voltas à vida e aposta na carreira de maestro: "Superação é transformar a adversidade em plataforma", diz. Formou a Orquestra Bachiana Jovem e a Bachiana Filarmónica e depois fundiu-as. Voltou ao Carnegie Hall, agora "como regente", diz.

O maestro João Carlos Martins faz cerca de 200 concertos por ano. "Às 5h estou acordado, esteja onde estiver, para decorar as músicas", explicando que não pode virar as páginas das partituras ou usar uma batuta, por isso tem de memorizar as pautas.

"No ano passado foram 10 mil páginas. Quando você menos espera, o sonho corre atrás de si."

Em menos de um ano gravou 5 CDs e diz que quer mais: "Quero criar sempre". E por isso tem um novo projecto. "Criar mil orquestras jovens, em dez anos." As primeiras 180 vão estrear-se em Janeiro de 2012, em São Paulo. "Um Brasil musical diminui a criminalidade", acredita.

Justiça. Advogados juntam-se para defender crianças

Cinco advogados especialistas em Direito da Família fundaram associação inédita para dar voz às crianças na barra dos tribunais

É uma associação dedicada à protecção das crianças, mas dentro dos tribunais. Um grupo de advogados especialistas em Direito da Família juntou-se para criar um organismo de defesa dos direitos da criança. Rui Alves Pereira, Alexandre de Sousa Machado, Rita Sassetti, Leonor Vicente Ribeiro e Cristina de Sousa querem envolver magistrados, professores, psicólogos e pais numa organização "inédita" em Portugal, que garanta a defesa dos menores diante da Justiça. "Porque, por vezes, a legislação protege mais os pais do que as crianças", justifica Rui Alves Pereira.

A primeira batalha da associação - que já tem nome mas ainda está a aguardar confirmação de registo - será pela criação de um Código da Criança. Um documento que, explica o advogado, não existe no ordenamento jurídico português e serviria para congregar toda a legislação referente aos menores. "Enquanto advogados apercebemo-nos que há pessoas que não têm noção de toda a legislação, porque o que existe são decretos--lei avulsos", diz. Outro dos objectivos será promover conferências e debates - envolvendo profissionais das várias áreas ligadas às crianças - para reflectir sobre matérias jurídicas que levantem dúvidas, como a guarda conjunta, exemplifica o advogado. "Tem havido alguma confusão depois de, em 2008, se ter deixado de falar em poder paternal ou guarda para se passar a falar em responsabilidades parentais", diz Rui Alves Pereira. "Confunde-se responsabilidade parental conjunta com guarda conjunta, quando não é isso que resulta da lei. É uma questão controversa que está a preocupar juízes, procuradores e advogados", garante o advogado. Reflectir antecipadamente sobre estas questões é "fundamental, antes que qualquer dia, por força de um decreto, se imponha uma decisão desse género a uma criança, sem se saber se é o mais acertado", acrescenta.

O rapto internacional de crianças ou a alteração de residência do progenitor que detém a guarda do menor são outros assuntos a pedir debate. "O número de casamentos entre pessoas de nacionalidades diferentes está a aumentar e há casos em que depois do divórcio o membro do casal que detém a guarda dos filhos quer regressar ao seu país, o que levanta muitas questões jurídicas", sublinha Rui Alves Pereira.

O número crescente de divórcios também preocupa os advogados. "Importa mostrar à sociedade e aos pais que não podem confundir os papéis de marido e mulher com o de progenitores. Há pais que partem para o litígio sem compreenderem o que isso faz aos filhos. O casal acha que se assumir determinados comportamentos está a atingir a outra parte, mas está é a atingir a criança", avisa o advogado, que defende uma participação maior dos menores nos tribunais. "Há testemunhas dos pais e das mães, mas quem é a voz da criança? É preciso uma participação maior do menor, quer de forma directa, através da sua audição em tribunal, quer através das pessoas que estão em contacto com ela, como professores ou educadores", defende.

A associação de advogados deve começar a trabalhar "em breve", remata Rui Alves Pereira.