Links Patrocinados

sábado, 11 de abril de 2015

Caminhada solidária 1/Maio/2015


sexta-feira, 10 de abril de 2015

Congruência - orgulhe-se de ser congruente


quinta-feira, 9 de abril de 2015

Ciberbullying

Beatriz Breves é uma psicóloga e psicanalista carioca de 58 anos, acostumada a lidar com as angústias das vidas de seus pacientes e tendo sua própria personalidade formada com uma estrutura emocional bastante sólida.

Mas toda a experiência que lhe rendeu essa espécie de escudo caiu por terra quando Beatriz foi atacada no Facebook por milhares de pessoas que, mesmo sem a conhecerem, “vomitavam” puro ódio contra a profissional. Sua vida, sua profissão, seus projetos e sonhos se viram destruídos.

Depois de um período nebuloso, ela encontrou na escrita uma forma de superar o que passou e alertar outras pessoas sobre a prática do ciberbullying e a ação dos haters e trolls na internet.

O resultado foi o lançamento do livro “A maldade humana – Como detonar uma pessoa no Facebook”. 

O fato que Beatriz narra na obra literária se passou em 2013, logo após ela deixar de ser síndica de um condomínio com cerca de 1.200 moradores, em Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro. “Havia um grupo de pessoas que fazia muita sujeira com os gatos no play do condomínio.

Eu, enquanto síndica, proibi essa sujeirada. Eu tenho 15 gatos; na época tinha 16. Mas arranjei um cantinho para colocar comida para os gatos. Elas não aceitaram e ficaram revoltadas comigo. Quando deixei de ser síndica, elas abusaram e voltaram com a sujeira.

Um dia, fiquei com raiva, é verdade, e rasguei uma caixa de papelão e pisei em uns potes. Mas não havia gato nem ninguém lá. Isso virou um assunto de que eu teria pisoteado uma gata cega e velha no colo de uma senhora idosa, e que a gata convulsionou e a senhora passou mal. Foi isso o que foi para a internet.”

A partir de uma postagem que o filho da tal senhora publicou no Facebook, iniciaram-se os ataques a Beatriz. “Tem que denunciar essa louca varrida”, dizia um internauta. “Daria uma porrada nessa mulher até ela não poder levantar mais! FDP!”, esbravejada outro comentário. “Identifique. Na hora de bater, bateu; na hora de colocar foto não pode?”, pedia outro usuário da rede social. Durante dez dias, Beatriz recebeu mais de mil postagens que a atacavam com um ódio que a deixou desnorteada.

Ao final da história, ela conseguiu provar na Justiça sua inocência, e o autor da postagem inicial foi condenado a pagar R$ 1 mil a uma instituição que cuida de animais abandonados. Muitos dos internautas que ajudaram a disseminar o ódio na rede social podem nem mais lembrar dos comentários que fizeram. Mas as marcas que o fato deixou na psicóloga nunca vão ser esquecidos por ela.

“O que me chamou a atenção foram as milhares de pessoas que não me conheciam, entraram na história e queriam acabar comigo”. Foi então que Beatriz resolveu convidar uma amiga, a também psicóloga Virginia Sampaio, a escrever um livro. “Era uma maneira que eu tinha de elaborar aquela história.”

Em sua pesquisa, as psicólogas traçaram o perfil dos chamados haters e trolls. Os primeiros são pessoas que, estando por detrás do seus computadores, se sentem confortáveis para odiarem a tudo e a todos.

São essencialmente do contra. Sua diversão, explica Beatriz, é atacar a opinião do outro, sem se importar se acredita ou não naquilo que está falando. Já os trolls se divertem com o simples fato de estarem manipulando, irritando ou provocando grandes brigas entre pessoas.

Tendem, sistematicamente, a desestabilizar uma discussão, provocar e enfurecer as pessoas envolvidas. “Nem todo hater é um troll. Mas todo troll é um hater, porque ele carrega dentro de si um ódio, porém é mais sofisticado, usa de táticas e técnicas para chegar a sua vítima.”

O mito do ‘homem bom’

Beatriz explica que, até então, a maior parte dos pesquisadores enxergava a maldade como uma psicopatologia. Mas cada vez mais essa visão tem caído por terra. “A maldade está dentro de todo mundo. É o livre arbítrio que te faz escolher ser cruel ou não. Essas pessoas que me atacaram são pessoas que trabalham, estudam, têm família, produzem bastante. Se olha, não diz que elas são capazes de fazer isso, porque são pessoas capazes de fazer atos extremamente amorosos também.”

Nesse cenário, a psicóloga acredita que a internet, por ainda ser um território muito livre, facilita as ações de trolls e haters. “Você liga seu computador, xinga, ataca, destrói e nem tem noção do dano que está fazendo para aquela outra pessoa que você não está nem vendo. As redes sociais favorecem muito isso. Não que elas sejam a causa. Apenas são um veículo melhor para expressar esses tipos de coisas que são humanas.”

Para os pais, ela deixa o alerta da importância de monitorarem as ações dos filhos na internet.

Não são raros os casos de crianças e adolescentes que se isolam ou até se suicidam após serem vítimas de ataques de ódio. “As pessoas ficam com medo só em relação aos sites pornôs. Mas têm questões muito graves acontecendo nas relações entre as pessoas.
 E muitos dos trolls e haters são adolescentes.”

Para a psicóloga, a discussão sobre o tema e a disseminação de informações podem ajudar as vítimas do ciberbullying a identificarem as ações dos haters e trolls e, com isso, buscarem proteção.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Previsões do tempo

http://www.otempo.pt/europa/satelite/

tenho usado e de facto há mais acertos.

IMAGEM DE SATÉLITE TEMPERATURA, VENTO,  HUMIDADE, ETC, ETC
PREVISÕES DE 7 DIAS em +/-  200.000  REGIÕES EUROPEIAS

terça-feira, 7 de abril de 2015

O Cristo Redentor por dentro



conhecer um pouco da história do Cristo Redentor.
Já lá fui muiiiitas vezes com alunos, amigos e turistas, porém nunca fui dentro do Cristo. Vou pensar nisso na próxima ida.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Prédio que protege moradores tem 150 árvores.

O arquiteto italiano Luciano Pia criou um prédio inovador, chamado 25 Verde, que parece uma verdadeira casa na árvore. O imóvel, localizado em uma esquina de Turin, na Itália, tem 150 árvores que protegem moradores da poluição e dos ruídos ao redor. As informações são do site Bored Panda.
leia mais em http://www.boredpanda.com/urban-treehouse-green-architecture-25-verde-luciano-pia-turin-italy/ 

A ideia do arquiteto foi tirar as plantas do chão e colocá-las suspensas por todo o prédio. A grande variedade de árvores absorvem 200 mil litros de dióxido de carbono a cada hora.
A construção é capaz de bloquear o som exterior e criar microambientes, tornando o clima dos apartamentos mais fresco durante o verão e mais quente durante o inverno.






quarta-feira, 1 de abril de 2015

Os problemas de comunicaç~/compreensão e.... distorção


sapatos com GPS

www.chiadomagazine.com

Quantas vezes é que nos perdemos e não sabemos para onde devemos seguir? Este é um problema quando tentamos explorar locais que não conhecemos, ou que estão diferentes desde a última vez que os visitámos.
Para facilitar a vida aos mais distraídos e com menos sentido de orientação, existem os novos sapatos com GPS, que prometem levar sempre a pessoa ao seu destino.
O artista e designer britânico Dominic Wilcox inspirou-se na personagem de Dorothy de “O Feiticeiro de Oz” para criar estes sapatos feitos à mão, com tecnologia GPS incorporada na sola e luzes LED na ponta, para indicar o caminho.
“No desenvolvimento dos sapatos tentei diferentes métodos de comunicação da direção que o utilizador devia seguir. O método mais simples e eficaz foi adicionar um círculo de mini luzes LED que permite que a pessoa apenas olhe para baixo e perceba a direção”, afirmou Dominic sobre esta sua criação.
Para adicionar um destino é necessário utilizar um cabo USB e programar os sapatos através do computador, cabendo depois ao software de localização calcular o caminho com base na posição dos sapatos e às luzes indicar o rumo a seguir.