Links Patrocinados

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Mais uma viagem com grande aprendizagem

A minha viagem a Suécia (Estocolmo e Gotemburgo) fou super divertida. Imprevistos por todos os lados.
Eu sabia que ia sentir frio, porém como da última viagem a Gotemburgo eu consegui suportar bem, descansei... foi um engano!

Logo no primeiro dia, na chegada a Estocolmo encontrei a "Central Station" do metro cobertinha de neve e quase congelamos.
video

No dia seguinte fomos a correr para a estação do metro de Odenplan onde tinha sido instalada uma escada piano e eu ia tocar piano com os pés, para comemorar o meu aniversário, massss oh! estava desactivada.

Para não lamentar muito, fiz um filme na praça da estação.

video

Como que a me compensar da não escada piano (risos), resolvi brincar nesta escada que parecia ser uma das escadas mais longas que eu já andei e fiquei a subir e descer e depois resolvi fazer um filme para mostrar a vocês. o percurso completo é feito em 45segundos.

video

Também foi diferente e interessante estar nos mesmos lugares que eu estive em Novembro, sem neve. Nem parece o mesmo lugar.

Vejam a diferença:


Este rio por exemplo, estava totalmente congelado. Vejam como fica bonito!

video

A viagem de volta para Gotemburgo foi tranquila, mas já encontramos o Aeroporto de Broma com bastante neve, mas o avião foi obediente.

video

No entanto, o mesmo não aconteceu no Goteborg City Airport que a neve castigou mais do que nós queríamos e o avião ficou foi paradinho na pista, saímos todos de dentro do avião e não tivemos alternativa se não dormir ali mesmo sobre cadeiras e pequenos sofás.



Completei 23hs de aeroporto, assim já tenho material para escrever um livro sobre a neve, as consequências dela, a dormida colectiva numa mistura de nacionalidades, de cheiros, de roncos e peidos e de friiio tbm….

A reação das pessoas diante das desinformações, pessoas assustadas e outras com grande dificuldade em aceitar aquela fatalidade. A resposta que todos ouviam era: "nothing to do"...

Algumas pessoas consumiram muita energia reclamando e exigindo um hotel para acomodar os passageiros e nenhuma autoridade assumiu esta responsabilidade. O que se conseguiu foi que os responsáveis pelo aeroporto concordassem que dormissemos lá, visto que já eram 1.30 da madrugada quando saímos de dentro do avião. Táxi e hotel para todas aquelas pessoas naquele horário, com aquele tempinho maravilhoso, seria mesmo uma demora imensa e de manhã fazer o caminho inverso.

Mesmo assim, teve uma pessoa que se recusou a dormir naquelas condições. Ficou a noite acordada.

Como eu durmo com muita facilidade, dormi bem até as 5.30hs da manhã e depois fiquei a observar as pessoas, as reacções, a irritação... um grupo de jovens de diversas nacionalidades tinha baralho de carta e lá formaram um grupo para jogar cartas.

Sou uma sortuda pq tenho portátil, banda larga e telemóvel como companhia…..bem, eu que não gosto de máquinas, passei a achá-las um pouco mais
interessantes….

Ai, que saudade da minha sopinha…..só sandes o tempo todo…

Bem, consequentemente, com o cancelamento do voo de Gotemburgo para Londres, eu perdi o voo de Londres para o Porto. Desorganizei toda a agenda, cancelei compromissos e agora ando as voltas com a agenda.

Eu digo sempre que devemos nos observar em cada situação, identificar o nosso comportamento, aproveitar a aprendizagem e eu reflecti que aceito com muito mais facilidade a minha impotência diante de certas situações. Na verdade, inicialmente eu achei que estava até ficando passiva demais, porém reflecti e concluo que de facto não é passividade e sim o saber lidar com a impotência. Uau!!! Boa aprendizagem!

Para concluir este breve relato, que pode ser o início de mais um livro sobre resiliência e saber lidar com a impotência, deixo uma mensagem que senti vontade de gravar.

video

1 comentário:

  1. Conseguiu bater o meu record de horas seguidas num aeroporto!! hehehe

    O meu é de "apenas" 17h!! É horrível... não dá para descansar e muito menos para dormir!

    Vi muita miséria no aeroporto de Roma... sabia que havia pessoas a morar em aeroportos mas ver a realidade dessas pessoas é bem diferente!

    ResponderEliminar